24/04/2005 a 30/04/2005
17/04/2005 a 23/04/2005
10/04/2005 a 16/04/2005
03/04/2005 a 09/04/2005
27/03/2005 a 02/04/2005
20/03/2005 a 26/03/2005
13/03/2005 a 19/03/2005
06/03/2005 a 12/03/2005
27/02/2005 a 05/03/2005
20/02/2005 a 26/02/2005
13/02/2005 a 19/02/2005
06/02/2005 a 12/02/2005
30/01/2005 a 05/02/2005
23/01/2005 a 29/01/2005
16/01/2005 a 22/01/2005
09/01/2005 a 15/01/2005
02/01/2005 a 08/01/2005
26/12/2004 a 01/01/2005
19/12/2004 a 25/12/2004
12/12/2004 a 18/12/2004
05/12/2004 a 11/12/2004
28/11/2004 a 04/12/2004
21/11/2004 a 27/11/2004
14/11/2004 a 20/11/2004
07/11/2004 a 13/11/2004
31/10/2004 a 06/11/2004
24/10/2004 a 30/10/2004
17/10/2004 a 23/10/2004
10/10/2004 a 16/10/2004
03/10/2004 a 09/10/2004
26/09/2004 a 02/10/2004
19/09/2004 a 25/09/2004
12/09/2004 a 18/09/2004
05/09/2004 a 11/09/2004
29/08/2004 a 04/09/2004
22/08/2004 a 28/08/2004
15/08/2004 a 21/08/2004
08/08/2004 a 14/08/2004
01/08/2004 a 07/08/2004
25/07/2004 a 31/07/2004
18/07/2004 a 24/07/2004
11/07/2004 a 17/07/2004
04/07/2004 a 10/07/2004
27/06/2004 a 03/07/2004
20/06/2004 a 26/06/2004
13/06/2004 a 19/06/2004
06/06/2004 a 12/06/2004
30/05/2004 a 05/06/2004
23/05/2004 a 29/05/2004
16/05/2004 a 22/05/2004
09/05/2004 a 15/05/2004
02/05/2004 a 08/05/2004
25/04/2004 a 01/05/2004
18/04/2004 a 24/04/2004
11/04/2004 a 17/04/2004
04/04/2004 a 10/04/2004
28/03/2004 a 03/04/2004
21/03/2004 a 27/03/2004
14/03/2004 a 20/03/2004
07/03/2004 a 13/03/2004
29/02/2004 a 06/03/2004
22/02/2004 a 28/02/2004
15/02/2004 a 21/02/2004
08/02/2004 a 14/02/2004
01/02/2004 a 07/02/2004



O Ministério da Saúde adverte – Videogames podem fazer bem

Os videogames sempre foram alvo de críticas por parte de muitos médicos que o apontavam como uma prática prejudicial à saúde. Mas quem diria que pode ser justamente o contrário?

Pesquisadores do centro de saúde de Beth Israel, em Nova York, apresentaram recentemente um estudo que concluiu que médicos que passam de duas a três horas por semana jogando videogames são mais habilidosos e comentem menos erros durante cirurgias de laparoscopia.

A laparoscopia usa minúsculas câmeras que são controladas por joysticks e os cirurgiões, em geral, podem praticar a técnica por meio de simulações de vídeo. O estudo avaliou 33 médicos o período de maio a agosto de 2003, que foram submetidos à análise de habilidade motora, tempo de reação e coordenação entre visão e as mãos, por meio seções de videogame.

Uma das conclusões do estudo foi que, com o videogame, é possível desenvolver senso de toque e sincronismo bem como a intuição no uso de dispositivos de manipulação. Os números da pesquisa ainda revelaram que os médicos que se divertem com os jogos eletrônicos são 27% mais rápidos nas cirurgias e comentem 27% menos erros do que seus companheiros que não se praticam o “esporte”.

Agora, você estudante de medicina, não vá usar isso como desculpa para levar seu videogame para o centro cirúrgico.



:: Escrito por Redação às 12h31
[] [envie esta mensagem]

Enquanto isso, na sala da justiça...

A Apple Computer não teve sucesso em mais um round do processo judicial que está sendo movido pelo selo da gravadora dos Beatles, a Apple Corps. Um contrato entre ambas determinava que a fabricante só poderia usar a marca Apple em computadores. Contudo, a Apple Corps argumenta que o acordo foi quebrado depois que a Apple Computer lançou a iTunes Music Store.

A Apple solicitou que o caso fosse ouvido pela Justiça do estado da Califórnia, porém o juiz que conduz o processo negou o pedido e manteve o processo em Londres.

Os Beatles processaram a Apple Computer em 1981, quatro anos após a fundação da companhia. No mesmo ano, um acordo acertou que a fabricante pagaria um valor não revelado ao selo do grupo musical e concordaria em usar a marca apenas em computadores.

Dez anos depois, os Beatles voltaram a processar a Apple Computer, alegando quebra do acordo, quando a Apple começou a usar o logo em sintetizadores de música. Novamente, uma quantia não revelada foi paga. Na ocasião, foi assinado o acordo que é alvo do processo judicial atual.



:: Escrito por Redação às 14h39
[] [envie esta mensagem]

Chips até debaixo d´água

Quem diria que chegaríamos a produzir chips até debaixo d’água? É justamente isso que estão propondo os pesquisadores do Rochester Institute of Technology (RIT).

A técnica para produção de chips menores e mais rápidos que está sendo desenvolvida pelo instituto realiza parte do processo sob a água. Segundo os cientistas, o método explora o fenômeno de refração conhecido de todos nós – aquele que nos engana quando queremos apanhar uma moeda no fundo da piscina, por exemplo. Debaixo d´água, tudo parece diferente e distorcido.

Essa técnica pode ajudar os pesquisadores a superarem o atual desafio do mundo dos computadores: para produzir chips mais velozes ou pentes de memória de maior capacidade, é preciso empacotar mais circuitos em um espaço cada vez menor. Com o processo de produção que está sendo proposto pelo RIT, será possível desenhar mais circuitos em áreas mais reduzidas.

Haja precisão!



:: Escrito por Redação às 14h37
[] [envie esta mensagem]

Não foi desta vez

Não, eles não conseguiram.

Não foi desta vez que os estudantes da Universidade de São Francisco, na Califórnia, bateram os supercomputadores “Top 500” com uma rede flash mob.

Divertido, com certeza, deve ter sido. Foram reunidos no ginásio da universidade 700 computadores, dos quais 669 foram colocados em rede. A melhor pontuação obtida pela flash mob foi de 180 Gflops usando 256 computadores, segundo o benchmark Linpack. Contudo, um dos nós da rede falhou, fazendo com que o melhor resultado completo ficasse em 77 Gflops usando 150 computadores. Os supercomputadores "Top 500" alcançam 500 Gflops.



:: Escrito por Redação às 14h18
[] [envie esta mensagem]